domingo, 22 de novembro de 2009

Théodore GÉRICAULT e a pintura romântica.‎

O ROMANTISMO

O Romantismo surgiu na Europa numa época em que o ambiente intelectual era de grande rebeldia. Na política, caíam os sistemas de governo despóticos e surgia o liberalismo político (não confundir com o liberalismo econômico do Século XX). No campo social imperava o inconformismo. No campo artístico, o repúdio às regras. A Revolução Francesa é o clímax desse século de oposição.


No Brasil, o romantismo coincidiu com a independência política em 1822, com o Primeiro reinado, com a guerra do Paraguai e com a campanha abolicionista.

O ROMANTISMO NA PINTURA

O francês Eugène Delacroix é considerado um pintor romântico por excelência. Sua tela A Liberdade guiando o povo (ao lado) reúne o vigor e o ideal românticos em uma obra que estrutura-se em um turbilhão de formas. O tema são os revolucionários de 1830 guiados pelo espírito da Liberdade (retratados aqui por uma mulher carregando a bandeira da França). O artista coloca-se metaforicamente como um revolucionário ao se retratar em um personagem da turba, apesar de olhar com uma certa reserva para os acontecimentos (refletindo a influência burguesa no romantismo). Esta é provavelmente a obra romântica mais conhecida.



A busca pelo exótico, pelo inóspito e pelo selvagem formaria outra característica fundamental do Romantismo. Exaltavam-se as sensações extremas, os paraísos artificiais, a natureza em seu aspecto mais bruto. Lançar-se em "aventuras" ao embarcar em navios com destino aos pólos, por exemplo, tornou-se uma forma de inspiração para alguns artistas. O pintor inglês William Turner refletiu este espírito em obras como Naufrágio (ao lado) onde a ação da natureza é usado como forma de atingir os sentimentos supracitados.


THÉODORE GÉRICAULT

Jean-Louis André Théodore Gericault, conhecido como Théodore Géricault (26 de Setembro de 1791, Ruão - 26 de Janeiro de 1824, Paris), foi um pintor francês do Romantismo (ao lado: Auto-retrato).


















Depois de fazer o serviço militar como mosqueteiro imperial na armada real, Géricault viajou para a Itália, onde estudou profundamente as obras de Michelangelo e Rafael. Na volta, em 1817, o pintor iniciou aquela que seria sua obra-prima, A Balsa da Medusa (acima). Embora o tema do naufrágio seja coerente com o desespero romântico, o certo é que com este quadro Géricault fez-se eco da crítica ao regime, compadecendo-se dos sobreviventes e dos mortos no naufrágio ocorrido por culpa do governo. Sabe-se que sua obsessão chegou a levá-lo a falar com os sobreviventes nos hospitais e inclusive a fazer esboços dos mortos no necrotério.


A doença, a loucura e o desespero passaram então a ser uma constante em seus quadros. O efeito do claro-escuro, que o pintor tanto admirava em Caravaggio, inspiraram-no a criar ambientes patéticos e de intenso sofrimento. Também fez quadros de doentes mentais num hospital. Após uma tentativa de suicídio, o pintor voltou a Paris, onde poucos meses depois, vítima de um acidente, acabou morrendo.
Fonte: Wikipédia


A hiena de Salpêtrière



Dois justiçados


Estudo de nu masculino



Guerreiro nu com lança


ARTE E ALIENAÇÃO

A ARTE BURGUESA É BELA E OPRESSORA PORQUE SUA OBRA REVELA A CONTRADIÇÃO DA SOCIEDADE DE CLASSES.


Como podemos ver, a arte romântica refletia a consciência da classe burguesa, em ascensão.  Ainda assim, essa era a arte produzida naquela época e compõe um importante conjunto histórico-cultural produzido pela humanidade.  A arte é o produto da história e materializa a consciência hegemônica, solidifica certos aspectos de um modo de vida compartilhado por todas as classes.  A arte burguesa mostra o que pode e o que quer revelar.  E também oculta os aspectos da vida que a tornam a vida cotidiana insuportável.  Por isso, a obra de arte é uma elaboração que extrapola a mera representação cotidiana, é mais que senso comum, é um discurso, o resultado de um processo ideológico: a dominação.

Isso deve ficar claro no momento em que trabalhadores resolvem admirar a arte.  É necessário compreender suas vozes ocultas.  A opressão está gritando por detrás das belas imagens, ou mesmo na impossibilidade do artista compreender a própria dinâmica violenta da vida. 

(Libertário)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário